Três Pastelarias Históricas em Lisboa

18 de Janeiro de 2018

Se você quiser combinar boa pastelaria e muita história, segue um roteiro de três ótimas opções. São três lindas casas onde come-se bem e pode-se conhecer um pouco da rica história da Capital Portuguesa.

A Brasileira, junto ao Largo do Chiado, na Rua Garrett, é um café emblemático da cidade, fundado em 19 de Novembro de 1905. No início do sec. XX, com instalação do Diretório Republicano no Largo de São Carlos, A Brasileira tornou-se um dos cafés mais concorridos de Lisboa. A partir dessa época, foi o cenário de inúmeros encontros intelectuais, artísticos e literários. Por lá, passaram escritores e artistas que viriam a fundar a Revista Orpheu. Em 1925, A Brasileira passou a expor onze telas de sete pintores portugueses da então nova geração. O interior foi renovado em 1971, com onze novas telas de pintores da época.

Com toda a importância que teve na vida cultural do país, A Brasileira ainda mantém uma identidade muito própria, quer pela especificidade da sua decoração, quer pela simbologia que representa por se encontrar ligada a nomes como Fernando Pessoa, cuja assiduidade motivou a inauguração, nos anos 1980, da estátua em bronze da autoria de Lagoa Henriques, que representa o escritor sentado à mesa na esplanada do café.

A Confeitaria Nacional foi fundada em 1829. Bem em frente à Praça da Figueira, a loja começou por ocupar duas portas que  hoje dão para a Rua da Betesga, sendo ampliada por volta de 1835. As receitas da doçaria conventual fazem sucesso em Lisboa. Altamente conceituada até hoje, a Confeitaria Nacional recebeu uma medalha na Exposição Universal de Paris de 1878. Participou, na Exposição Universal de Viena de Áustria de 1873, onde apresentou as suas frutas cristalizadas e compotas de fruta. 

Conforme falamos aqui, o Café Versailles foi inaugurado em 1922. Espelhos, vitrais e ornamentações art nouveau fazem parte da decoração, criando um ambiente de um verdadeiro café histórico europeu. Tem uma pastelaria variada e é também restaurante, numa área separada, onde se serve cozinha tradicional portuguesa. No início de 2017, abriu um novo espaço, em frente ao Museu Nacional dos Coches.

Fotos: O Inverso de Cabral