Passeios

Museu do Fado

16 de Janeiro de 2018

“Se ser fadista é ser triste,
É ser lágrima prevista,
Se por mágoa o fado existe,
Então, eu não sou fadista”.

A palavra fado vem do latim fatum, ou seja, “destino”. E este museu contém um riquíssimo acervo documental constituído por coleções discográficas, fotografias, filmes, cartazes, publicações, repertórios, partituras, instrumentos e objetos diversos que contam a rica história do estilo musical que se confunde com Portugal. A localização não poderia ser mais simbólica: frente ao Largo do Chafariz e “ao pé” do Bairro de Alfama.

Através de ambientes equipados com meios audiovisuais, o visitante é convidado a conhecer a história do fado, que tem episódios surpreendentes. Contam alguns que  a origem do fado de Lisboa remete para os cânticos dos mouros, que permaneceram no bairro da Mouraria após a reconquista Cristã, mas não se sabe ao certo.

Mais recentemente, nos anos 30 e 40, o cinema, o teatro e a rádio projetaram o estilo para o grande público, tornando-a mais comercial. Esta foi a época de ouro do fado onde os tocadores, cantadores ganharam palcos mais nobres. Surgiram, então, as Casas de Fado e com elas o lançamento do artista de fado profissional. Para se poder cantar nestas casas era necessário ter carteira profissional, repertório aprovado pela Comissão de Censura, bem como, um estilo próprio e boa aparência. A expressão fado vadio chega para identificar os artistas sem essa certificação oficial. Já em meados do século XX o fado iniciou sua conquista pelo mundo, tornando-se famoso também fora de Portugal.

O Museu do Fado conta ainda com um centro de documentação, um auditório, uma loja temática e uma escola (cursos de Guitarra Portuguesa e de Viola de Fado, etc.). É um passeio essencial para quem quer mergulhar na cultura portuguesa.

Depois dessa imersão intimista na cultura portuguesa, a dica é, ao sair do museu, ter essa experiência viva, andando pelas ruelas e vielas do Bairro da Alfama, freguesia que respira o fado. No caminho, passará por edificações históricas como, por exemplo resquícios das muralhas fernandinas de Lisboa, também conhecidas por cerca fernandina, construida por D. Fernando I, ano 1373.

Museu do Fado, Largo do Chafariz de Dentro. Lisboa (mapa). Horário: 10h00-18h00 (última entrada às 17h30). Metro: Santa Apolónia (linha azul). Os bilhetes custam 5,00€.