Transporte

Carsharing

19 de setembro de 2018

Trânsito cada vez mais pesado e poluição são algumas das motivações para o surgimento de uma nova forma de se locomover em Lisboa: o carsharing, ou, em bom português, carros compartilhados. Trata-se de uma boa opção para percorrer pequenas distâncias, principalmente em regiões onde o estacionamento (vagas) não é um problema.

Atualmente, duas empresas dominam a atividade na cidade: a DriveNow e a Emov. Para os adeptos das duas rodas, existe também a eCooltra, scooters compartilhadas.

O sistema de todas é basicamente o mesmo: você baixa o aplicativo e realiza o registro. Nessa etapa, fornecerá sua documentação e um cartão de crédito para cobrança. A operação é simples: você localiza o veículo mais próximo, faz uma reserva (normalmente de 15 ou 20 minutos) e utiliza pelo tempo necessário segundo as normas de cada operadora.

Os preços incluem todas as despesas, tais como combustível, seguros (mas, atenção, há franquia) e estacionamento. Isso é possível porque as empresas possuem convênios com a EMEL (responsável por fiscalizar a utilização de vagas), de forma que o cliente, sem se preocupar com a tarifa dos parquímetros, pode estacionar o carro em qualquer local dentro da área de cobertura, desde que permitido.

Todas as empresas oferecem minutos de bônus para a primeira utilização. A DriveNow possui uma frota de 200 BMWs e MINIs elétricos e convencionais. O minuto de uso custa 0,29€. O carros não possuem chave e são acionados pela senha pessoal do usuário. Já a Emov conta com 150 carros, todos exclusivamente elétricos da marca Citroën, com chaves que ficam guardadas no porta luvas. O minuto sai a 0,21€. Para ter acesso ao veículo o próprio aplicativo desbloqueia, abre e tranca o carro, ou seja, tudo muito moderno!

Temos utilizado com frequência e gostamos muito. A praticidade de chegar a Belém, por exemplo, é incrível, pois de Alvalade (onde moramos) pra lá, de transporte público exige tempo. Os preços também atraem, pois dependendo do local, o custo fica inferior a um Uber ou Táxi.

A desvantagem fica por conta da área de cobertura, que é restrita. Não dá, por exemplo, para dar um pulo nas praias da Costa da Caparica ou mesmo da linha de Cascais. Isso não é possível porque as empresas limitam a área de operação ao concelho de Lisboa. Você pode até conduzir fora dessa zona, mas só poderá encerrar uma viagem no perímetro fixado. Por isso, fique atento e leia todas as regras para utilização.

Caso você prefira alugar um carro nos métodos convencionais e por período maior, veja nosso post sobre o assunto aqui.

Carsharing Lisboa. DriveNow, Emov Lisboa

Utilizamos os dois serviços e, numa opinião muitíssimo pessoal, podemos dizer que o luxo/desempenho dos carros é a única razão para pagar mais pela DriveNow. Por fim, é preciso dizer as empresas cobram pela abertura de cadastro. Verifique os preços.

Agora, a dica mais preciosa é: Lisboa é uma cidade (como outras) já sobrecarregada na circulação de carros e, portanto, onde estacionar pode ser um problema sério. Certifique-se de que seu destino oferece vagas. A Câmara Municipal de Lisboa tem disponibilizado algumas áreas para estacionamento desse tipo de veículo (acompanhe as novidades nos perfins do instagram das empresas) Caso contrário, você perderá muito tempo tentando parar o carro e, nesse caso, tempo é dinheiro!

Carsharing Lisboa. DriveNow, Emov Lisboa

Fotos: O Inverso de Cabral