Dicas

Aeroporto de Lisboa: chegando e partindo

8 de junho de 2017

Há dois fatores que fazem do aeroporto Humberto Delgado (antes chamava Portela) um dos mais importantes da Europa: a enorme quantidade de voos que o qualifica como uma porta de entrada para estrangeiros na comunidade europeia e a explosão do turismo em Portugal. Trata-se de um ótimo aeroporto internacional, situado dentro da cidade de Lisboa, o que é muito raro (mapa), e com ótimas opções de acesso.

Pouso “dentro da cidade”

Bom, vamos começar falando da chegada nele. Saindo do avião, como se sabe, você vai ter que passar pela imigração. Devido ao grande fluxo de passageiros, a fila é, normalmente, grande e demorada (conosco foi sempre). Sobre a documentação exigida para entrada e permanência em território português sugerimos ler as informações prestadas pela Embaixada de Portugal (clique aqui).

Depois, siga as instruções para recolha de bagagem. Fique de olho na tela que indica a esteira de acordo com o seu número do voo. Se demorar muito na imigração, eles normalmente tiram as bagagens da esteira e deixam em um canto. Mas pode recorrer a qualquer funcionário do aeroporto que eles informam.

Aí, com malas na mão, é hora de sair, passando ainda por um último controle aleatório de bagagem.

Acessos: saindo para área do desembarque, você poderá pegar um taxi ou metrô (a linha vermelha serve o aeroporto e faz baldeação para todas as outras. Falamos sobre aqui). Se optar por taxi há uma fila e é só esperar sua vez. Além da tarifa, eles cobram uma taxa por mala. Claro que já tivemos experiências negativas e positivas com motoristas, mas, infelizmente, não dá para prever!

Uber ou Cabify na chegada exige uma certa manobra. É que, por conta do atrito com os taxistas, eles tem uma área própria para buscar e deixar clientes, que é no estacionamento do embarque. Isso pode causar uma certa confusão. Talvez, na chegada, seja melhor não arriscar, a menos, claro, que você já conheça o aeroporto.

Se optar pelo metrô, há indicação da estação, que possui escadas rolantes e elevador para facilitar com a bagagem.

Tem diversos ônibus que param no terminal de chegadas do aeroporto e que seguem para diferentes áreas da cidade. Contudo, tenha em conta que nestes autocarros apenas são permitidas bagagens com medidas máximas de 50x40x20cm. Se a sua bagagem for maior, deve optar pelos autocarros específicos do aeroporto (Aerobus e Airport Shuttle). Veja aqui.

Bilhete (tarifa a bordo): 1,80€

É necessário comprar o cartão eletrónico 7 Colinas / Viva Viagem, que permite o carregamento das viagens pretendidas, e que pode ser usado tanto no Metro, como na Carris (autocarros):

Cartão Eletrónico 7 Colinas / Viva Viagem: 0,50€

Preço Viagem: 1,45€

Há o ponto de informações turísticas, portanto, qualquer dúvida em relação  a sua estadia em Portugal pode ser tirada lá, inclusive sobre a compra do Lisboa Card, que pode ser uma opção interessante, conforme dias e pontos de interesse para conhecer na cidade (veja as opções aqui).

Dependendo do horário da chegada e se você já quiser comprar um chip para o telemóvel (celular) há uma loja da Vodafone na saída do desembarque. Outra dica é comprar o chip oferecido na revista de bordo do freeshop da Tap (custa 15€).

Terminal 2: O aeroporto de Lisboa conta com um terminal específico para as companhias low cost, que operam voos dentro da Europa. Não é possível (dentro do razoável) transitar a pé entre os dois terminais. Por isso, a administração aeroportuária disponibiliza um ónibus que leva os passageiros do terminal 1 para o 2, sem custos. Portanto, é perfeitamente possível utilizar qualquer tipo de transporte público, ainda que seu voo saia do T2. A parada fica em frente ao terminal 1, no embarque. O terminal 2 é como se pode esperar, mais acanhado. Entretanto, por conta do aumento da demanda vem passando, constantemente, por melhorias. Entretanto, o acesso às aeronaves é feito a céu aberto e, em caso de chuva, pode haver algum desconforto.

Caso você, por conexão, vá passar apenas algumas horas em Lisboa e queira guardar sua bagagem para aproveitar esse tempinho, o aeroporto oferece esse serviço. Na área do desembarque é só seguir as indicações. Os valores variam conforme o peso da bagagem e a tarifa é cobrada por dia. Escrevemos sobre isso neste post aqui, nele falamos do aeroporto e de algumas estações de metrô que também oferecem o serviço.

Chegada a hora de partir, dê um tempo na tristeza e se programe considerando, especialmente: vai fazer Tax Free? Quer explorar o freeshop?

Fotos: O Inverso de Cabral.

O Tax Free pode ser feito a partir de 61,35 € (post sobre Tax Free aqui). Dependendo da época do ano o serviço fica caótico! A fila na alfândega é enorme, há poucos atendentes e tudo é muito burocrático. Por isso, é aconselhável chegar com uma boa antecedência. Os operadores são a Global Blue, Premier Tax Free e Innova Tax Free. O recebimento do dinheiro é feito já dentro da área do embarque.

Pode ser necessário mostrar suas compras beneficiadas pelo tax free. Caso elas estejam dentro de suas bagagens de porão, a sequência é a seguinte:  check in e etiquetagem da bagagem é feito primeiro, no balcão da companhia. O ideal é fazer uma mala com as compras. Essa mala não será despachada pela companhia aérea e sim no balcão da própria autoridade tributária. Como os procedimentos podem ser alterados, aconselhamos ler atenciosamente essas informações  aqui. Caso você tenha alguma bagagem fora dos padrões (caixa com vinhos, pranchas de surf, equipamentos, etc.), há, da mesma forma, um guichê específico.

A área de lojas, alimentação e afins, já dentro do embarque é bem grande, ainda será necessário fazer imigração e anda-se muito, por isso, mais uma vez: programe-se para ter tempo suficiente!

Boa viagem!!!